18 sinais de que você não está mais apaixonada

We sometimes include products we think are useful for our readers. If you buy through links on this page, we may earn a small commission. Read our affiliate disclosure.

 

Como eu mostrei aqui nesse artigo, criei um Ritual Definitivo Para Deixar de Sofrer por Amor em 8 passos. Eu realmente segui cada um daqueles passos do feitiço mágico e documentei todo o processo nas minhas redes sociais, então pode sempre confiar: eu faço aquilo que eu prego.

Caso você tenha iniciado o ritual e esteja vivendo esse processo de cura de uma decepção amorosa, venho ajudá-la a perceber que o ritual já deu ou está dando certo.

Como saber se o ritual deu certo e você finalmente está superando seu último amor?

O processo completo de superação de um amor não correspondido dura um ciclo completo da lua, ou seja quatro semanas inteiras. Na primeira semana o ritual é feito diariamente e ao final de cada semana é realizado um “ritual de reforço”. 

Esse ritual de reforço é fundamental para que a gente não perca o foco do nosso objetivo e se mantenha determinada durante todo o período. Eles servem como “check ups” semanais dos nossos sentimentos.

Lembre-se: deixar de sofrer por amor é um processo. Seja paciente, você não irá perceber os resultados imediatamente. É importante confiar no processo.

Dito isso, esses são alguns marcos que reparo na hora de identificar o meu progresso:

1. Você vai pensando nela/nele cada vez menos

Esse é um dos pontos que demoro mais para notar progresso, então resolvi começar falando logo para você se acalmar: nas primeiras duas semanas talvez você não veja nenhuma diferença. Em geral, só noto uma diminuição evidente a partir do fim da terceira/início da quarta semana.

Como eu documentei todo o processo da última vez que me apaixonei e precisei superar uma paixão, compartilho com vocês trechos do que escrevi no 15˚ dia do ritual:

“Eu penso nela o tempo todo, literalmente o tempo todo. Mesmo quando eu estou fazendo outra coisa, tipo trabalhando, ela está lá no segundo plano, tipo aplicativo de celular que fica funcionando sem você saber como desliga”.

O relato acima não é um indício de que o ritual não estava dando certo naquele momento. Mesmo pensando nela o tempo todo, havia um desligamento gradual (ela ia ficando cada vez mais no segundo plano, por exemplo, mesmo que ainda estivesse lá de alguma forma).

E pensar nela era cada vez menos dolorido também, o que nos leva ao próximo ponto:

2. Você chora menos pensando nela/nele

Chorar é um fator importante no ritual, porque é um sinal de que estamos processando nossos sentimentos. Se você não estiver chorando, talvez não esteja processando, mas reprimindo. 

E aí não existe cura de verdade, entende?

Se você estiver fazendo tudo certinho, a primeira semana será mais intensa, mas já no sétimo dia você deve começar a perceber que as lágrimas caem com cada vez menos frequência.

3. Você esquece de checar as atividades dele/dela nas redes

Esse é um sinal que você também está pensando menos na sua paixão! Mas é importante que você tenha silenciado as notificações para as atividades dele ou dela nas redes sociais, para que o algoritmo não fique te mostrando nada sem o seu consentimento. 

Tem pessoas que são mais radicais do que eu nesse quesito: deixam de seguir, bloqueiam, apagam as redes sociais para não terem nenhuma informação da pessoa que estão tentando superar.

Eu não sou assim, normalmente eu mantenho uma relação de afeto e até mesmo grande amizade com as pessoas com quem me envolvo, porque em geral elas são pessoas incríveis e eu não tenho o intuito de tirá-las da minha vida: apenas não quero sofrer com o amor não correspondido.

Por isso, eu gosto de silenciar os stories e, quando eu lembro da pessoa, procuro deliberadamente checar suas atividades, para que eu possa interagir de forma amigável. 

Na primeira semana do ritual, eu via todos os stories que a minha caminhoneira postava em no máximo 10 minutos após a publicação nas redes. A partir da segunda semana eu já reparei que via publicações com 3h, 5h ou até mesmo 8h após o momento da postagem. O recorde foi 18h, na terceira semana. 

Esses números me mostravam como eu estava cada vez mais desligada dela e envolvida com outras coisas da minha vida. Eventualmente, na quarta semana, eu deixei de buscar por qualquer novidade a respeito dela. 

4. Ao compartilhar qualquer coisa nas suas redes sociais, você não se pergunta mais se ela ou ele irão ver (e nem o que eles irão pensar sobre)

Essa é uma preocupação que eu gosto de evitar mesmo quando não estou nesse processo de me afastar emocionalmente de alguém. Às vezes é difícil não querer impressionar, não querer que a pessoa por quem você está interessada também te considere uma mulher interessante e admire as coisas que você escreve nas redes sociais.

Se você passou por uma rejeição explícita, é normal se questionar “será que a Paixão vai achar que eu estou postando tal foto ou fazendo tal comentário por causa dele/dela?” ou até mesmo “será que ele/ela ainda vai ver o que eu posto nos stories?”.

É possível que você prefira simplesmente restringir as publicações para não ter essa preocupação: eu não costumo fazer isso.

Prefiro assumir que ele ou ela não irão ver nada e percebo uma melhora significativa nesse controle de expectativa por volta do final da segunda semana.

A melhora considerável vem com o próximo ponto:

5. O algoritmo do Instagram deixa de colocar o rosto dele/dela na frente de todos os outros

É difícil desapegar quando o primeiro rosto que as notificações das redes sociais nos mostra é sempre o rosto da pessoa que estamos querendo esquecer. O algoritmo faz isso porque é treinado para mostrar primeiro aquilo que entende como sendo mais relevante para você.

Apenas no 22o. dia o meu instagram entendeu que 100 outras pessoas eram mais relevantes para mim na ordem dos visualizadores dos meus stories (sim, eu contei, mas apenas pelo caráter científico de produzir essa matéria).

Demorou, mas não saberia descrever o sentimento de conquista, de validação do progresso que estava agora muito mais perto do seu fim do que do início.

Pode ser mais difícil no início, sem bloquear ou restringir o conteúdo, mas garanto que é muito mais recompensador.

6. Você vai deixando de se importar com o que ela ou ele irão pensar das suas atitudes em geral

O sentimento de desapego emocional transcende o âmbito virtual: se a sua antiga paixão te encontrar (ou ouvir falar) de você frequentando tal lugar, saindo com fulano ou fulana, etc, a opinião que ele ou ela tiver de você não importa mais, porque você está preocupada apenas com o que você mesmo está achando das suas escolhas e decisões.

7. Sua auto estima está 100% recuperada

Como falei também no artigo anterior, para superar amor não correspondido em 8 passos é importante ter a auto estima fortalecida, mas é claro que mesmo a auto estima mais forte do universo (tipo a de um homem branco hétero rico) fica um pouco abalada com rejeição. 

Ao longo do processo a gente nota nossa auto estima recuperando do baque: vamos cumprindo o ritual e ficando cada vez mais felizes e orgulhosas da mulher forte, ética e interessante que somos. Quando temos essa convicção, a opinião de quem não consegue enxergar isso não nos afeta, porque compreendemos que essa pessoa deve estar enfrentando algum momento muito difícil ou possui valores e virtudes muito diferentes de você.

8. Você tem cada vez menos vontade de falar com ele ou ela

Eu não gosto de reprimir meus desejos em nenhum momento. Por isso, não bloqueio, não deixo de acompanhar, e também não gosto de falar. Eu penso que ninguém é obrigado a corresponder meus sentimentos e que eu sou responsável pelo que eu sinto. Dito isso, nunca dispenso uma amizade legal com uma pessoa que eu admire e por isso é comum que eu mantenha contato mesmo quando estou tentando deixar de me apaixonar por alguém.

Entretanto, quando estamos apaixonadas, pensamos muito nessa pessoa e queremos estar e falar com ela o tempo todo. Ao longo do processo de desapego, vamos notando uma diminuição considerável nessa vontade de conversar e enxergamos muitas vezes que a pessoa nem é tão interessante assim, que o diálogo nem costuma ser tão legal… 

A partir da segunda semana do ritual eu me vii pensando “nossa, se ela não me mandar mensagem para falar sobre alguma coisa específica talvez nunca mais iremos conversar, porque eu não tenho mais nada para compartilhar com ela”. 

9. Você está ativamente à procura de outros crush (ou, melhor ainda, já arrumou outro crush)

Aplicativos de pegação dos mais variados. Quando reativamos nosso perfil buscando conhecer pessoas novas com a intenção de flertar é um sinal de que estamos melhorando. Eu voltei a me interessar por outras pessoas de forma mais ativa após 15 dias… Comecei a flertar e sair em encontros, determinada a encontrar alguém mais preparado para receber o amor que eu tenho para dar.

10. Você fica extremamente empolgada com algum desses outros crushes

No início, mesmo quando estamos no aplicativo, estamos agindo de modo mais automático, sem muita expectativa de encontrar outra pessoa que nos interesse. Mas em algum momento surge aquele perfil que te salta aos olhos: alguém cuja beleza te deixa com falta de ar (eu sempre fico meio embasbacada quando vejo alguém que acho muito bonito) e a melhor parte é quando rola match com uma pessoas dessas!!!

11. Você fica animada para sair em outros dates/encontros

Isso é consequência do passo anterior. É um sinal mais comum de notarmos pela terceira semana. Não quer dizer que de fato estamos dispostas a marcar os encontros, às vezes ainda nos falta uma determinação maior… E não devemos nos forçar! 

É muito importante respeitar o processo e nossos sentimentos, mas só de começarmos a projetar cenas na nossa cabeça de encontros com outra pessoa, e ficarmos super empolgadas com essa projeção, é um sinal de que o ritual já começou a fazer efeito!

12. Você tem excelentes dates/encontros com outras pessoas

Eu sou uma mulher emocionada, então um excelente encontro para mim é um encontro que já me deixa imaginando o resto da vida ao lado da pessoa. Eu sei, é minha vênus em câncer. 

No passado, eu achava que ter um encontro incrível com alguém novo significava ter superado a paixão anterior. Isso não é verdade e não devemos nos esquecer de continuar realizando o ritual para que o sentimento pela paixão antiga não acabevvoltando no futuro!

Ter um encontro bom com outro alguém é apenas um bom sinal.

13. As músicas que antes lembravam dela/dele, vão ganhando novos significados

Ah eu adoro quando chego nessa fase! Música é algo muito importante para mim e eu costumo criar playlists para todas as pessoas com quem me envolvo, que gosto de ouvir justamente para ficar pensando na pessoa e me inspirando nela. Normalmente as listas incluem minhas músicas favoritas e é terrível quando estou na fase de querer me afastar emocionalmente e sem conseguir ouvir uma música que amo tanto sem pensar na pessoa. Algumas músicas marcam mais do que outras, mas eu vejo o progresso gradual quando vou voltando a conseguir escutar cada uma das músicas da minha playlist sem que isso me traga nenhum sentimento ruim e principalmente quando já desenvolvi outras memórias ao redor das músicas. Às vezes ela está até numa playlist nova com outra pessoa!

14. Quando você olha para a lua cheia, você (também) lembra de outras pessoas

Eu vi essa semana na internet uma história de que, no Japão, falar para uma pessoa “hoje a lua está linda, né?” é como se fosse uma declaração de amor. Se a pessoa responder concordando “está linda mesmo”, é sinal de que ela te ama de volta.

Eu achei essa anedota muito engraçada, porque nos meus romances sapatônicos sempre foi muito comum comentarmos sobre a lua: mulher, em geral, presta muito mais atenção na fase da lua e se sente muito mais conectada com ela (porque nosso ciclo menstrual leva o mesmo tempo do ciclo da lua para se completar, é uma coisa de bruxa mesmo).

Eu presto muita atenção na lua, principalmente na lua crescente e na lua cheia, e sempre penso na pessoa amada quando a lua está bonita para mandar aquela mensagem “viu a lua hoje? Está linda”. Reparei que a partir da terceira semana de ritual eu pensava em outras mulheres para perguntar se haviam reparado na lua. Eu ainda penso muito na minha última paixão na lua cheia

15. Mesmo quando você sonha com ele/ela, você não fica mais tão abalada com o sonho

Tem gente que sonha mais, tem gente que sonha menos. Eu sonho muito. Quando eu estou apaixonada, eu sonho muito com a pessoa por quem estou apaixonada. Sonho que sou correspondida, que estamos vivendo algumas das histórias que eu desejei viver ao lado dela, mas que não irão acontecer. 

Quando eu acordo, tenho uma manhã triste, com saudades daquilo que não irei viver, sabe? Mas com o tempo, o sonho vai deixando de ser tão bom assim e eu já estou mais resignada, então deixa de doer tanto.

16. A frequência dos sonhos vai diminuindo

Se antes sonhava todas as noites, ou várias vezes por noite, vejo a frequência diminuindo para algumas vezes ou só uma vez por semana. Vou sonhando sobre outras coisas, outras pessoas. A quarta semana é a melhor, praticamente sem sonhos sobre a pessoa: é sinal de que o ritual está chegando ao fim com muito sucesso.

17. Você vai abandonando a esperança de um desfecho diferente.

Eu notei que nas duas primeiras semanas de afastamento emocional, eu ainda estou secretamente rezando “por favor que a pessoa mude de ideia e descubra magicamente que eu sou a mulher da vida dela”. Eu desejo isso com a mesma forma que desejo superar meu sentimento, mas depois da primeira quinzena eu me resigno: não vai acontecer. A distância não vai fazer com que a sapatona local (e às vezes nem tão local assim) perceba que o amor sempre esteve nos meus braços. E tudo bem. A gente pode ser só amiga. Só conhecidas. Pessoas que saíram umas duas ou três vezes, deram alguns beijos, até mais que uns beijos…. Você começa a desapegar de todas as idealizações que criou na sua cabeça e passa a criar novas projeções no seu futuro que também te empolgam (pelo menos um pouquinho!).

18. Quando vocês conversam, é mais divertido do que dolorido

Esse é o último ponto que eu presto atenção. Quando estou muito apaixonada, qualquer interação com a pessoa em questão me enche de adrenalina. Eu fico em êxtase: “ela falou comigo, curtiu minha foto, respondeu meu comentário”. Depois fico um tempo triste porque aquela interação não se estendeu ou não foi tão boa quanto eu gostaria.

Com o desapego e a transformação desse sentimento, eu só fico feliz com o que conversamos. Se deixar de ser divertido, vou deixando de interagir. E eventualmente dia para de doer.