Como fazer um ensaio de casal único: 13 dicas dignas de cinema

We sometimes include products we think are useful for our readers. If you buy through links on this page, we may earn a small commission. Read our affiliate disclosure.

 

De repente, aquele seu conhecido ou conhecida começa a postar nas redes sociais um monte de fotos de uma vez. Mulheres com vestidos chiques e muito maquiadas em paisagens naturais, homens meio sérios sem saber que cara fazer, umas fotos no pôr do sol com o fundo desfocado. Você sabe do que eu estou falando. Você já viu essa foto no Facebook e na sala de estar de amigos recém-casados. Eu estou falando dos famosos ensaios de casal

É muito comum e esperado que em certos momentos especiais, como antes de celebrar o casamento ou durante uma gravidez, casais contratem fotógrafos profissionais para registrar o que eles estão vivendo. 

Por que fazer um ensaio fotográfico do casal?

É uma oportunidade muito legal, na qual o casal consegue se ver com mais capricho do que no dia a dia, como atores do seu filme favorito ou modelos em uma propaganda. Além disso, tudo que acontece na véspera de um casamento ou da chegada de um bebê é muito único, o ano inteiro que antecede é especial, e essas fotos, especiais, duradouras, registram esse momento.

Bati um papo com o fotógrafo Plínio Ricardo (que foi quem fez o meu ensaio de casal antes do casamento) sobre esse tipo de registro, e perguntei por que ele acha que vale a pena para um casal fazer um ensaio profissional, mesmo que eles já tenham bastante fotos juntos.

“Eu acho muito importante o casal se permitir fazer um ensaio de fotos com um bom profissional, porque a gente vive hoje num mundo repleto de imagens. O problema não é ter imagens, que temos muitas, mas elas são efêmeras, feitas para estar na internet num dia e no dia seguinte ninguém lembrar mais. Esse tipo de imagem, dos ensaios de casal, é muito especial.  É feito para tocar o coração das pessoas não só amanhã, mas pelos próximos 20, 30 anos. Então acho importante o casal fazer sessões de fotos, e isso é um presente também para seus filhos e netos. O legal dessas fotos não é só estampar um perfil de rede social, mas ser encontrada no fundo de um armário daqui a 30 anos, e trazer de volta essas memórias e essa alegria.”

Como fazer um bom ensaio fotográfico do casal?

Um bom ensaio fotográfico, em termos simples, é o ensaio que registra o que o casal quer registrado. 

Com a popularização desse tipo de ensaios, é muito comum que as fotos fiquem meio todas parecidas, e tem muita gente que quer isso mesmo, um ensaio bonito exatamente igual ao da vizinha ou ao daquele primo meio distante, e tá tudo bem.

Mas se você chegou até esse artigo, minha aposta é que você não quer um ensaio igual o da vizinha ou do primo distante, mas um ensaio único, que tenha a sua cara

Para te ajudar nessa missão, misturei minha experiência trabalhando com cinema, as coisas que aprendi quando fui fotografada e o meu bate-papo com o Plínio, e elaborei aqui 

13 sugestões de como deixar seu ensaio de casal único

1. Escolha bem o fotógrafo

Para escolher o fotógrafo será preciso levar em consideração fatores de natureza prática, como disponibilidade de agenda, presença na cidade onde o casal deseja ser fotografado, orçamento… Mas também é preciso levar em conta fatores mais subjetivos, como o estilo de fotografia e a afinidade pessoal. 

Não escolha uma pessoa com a qual você não se sente confortável – o ensaio não vai ficar bom se você não conseguir abaixar seus muros e se permitir ser conhecido pela pessoa atrás da lente. 

Não adianta também escolher um fotógrafo da moda, ou alguém que você adora pessoalmente, se você não encontra no portfólio dele ou dela nada que você gosta. Afinal, é preciso lembrar que, embora o profissional não vá (idealmente) fazer um repeteco de nenhum ensaio anterior, cada artista tem um estilo próprio, e é com o arcabouço de tudo que ele já fez antes que ele vai encarar o seu ensaio também. 

O Plínio dá a dica: fuja de fotógrafos que levam sempre as pessoas nos mesmos lugares, nas mesmas poses, como se tivessem uma receita para boas fotos. Priorize alguém que você sente que consegue capturar a essência de cada casal.

2. Junte referências

Essa é uma dica que vem muito do cinema – quando você parte para fazer um filme é muito difícil tentar explicar sua visão para os outros simplesmente descrevendo o que você imagina. Para facilitar essa comunicação, o que a gente faz é colher referências, que são imagens de outros filmes, de fotografias, de artes visuais, que conseguem ilustrar o que a gente deseja, seja em termos de atmosfera, enquadramento, paleta de cores, posicionamento no quadro…

Como a gente faz pra importar isso pros ensaios de casal? Procure referências de outros ensaios de casal que você goste, tanto nas fotos anteriores do fotógrafo que você escolheu quanto na obra de outras pessoas, e se dê ao trabalho de descobrir o que você gosta em cada referência. É o tipo de foto? O tipo de cor? São as poses das pessoas? Os elementos? O local? É o sentimento que a foto evoca? Ela é preto e branca ou colorida? Saturada ou esmaecida? São fotos urbanas ou na natureza? As pessoas estão arrumadas ou casuais? Estão paradas em pose ou em movimento? E por aí vai.

Essa pesquisa vai ajudar a deixar mais claro o que você quer e espera do seu ensaio de casal, e também vai ajudar a transmitir isso com clareza.

3. Planeje a estética

Depois de olhar e escolher várias referências e entender o que você gosta nelas, esse passo fica fácil. É hora de decidir – você quer um ensaio mais posado ou mais espontâneo? Mais sério ou mais descontraído? Em ambientes fechados ou abertos? Mais preto e branco ou colorido?

É a hora de olhar para tudo que você gostou, e decidir quais dessas características você vai querer no seu ensaio. 

 

4. Pense no que faz de vocês um casal único

Existem várias expectativas do que é um casal feliz, do que é um ensaio de casamento, de qual é a estética do amor. Isso faz com que seja muito fácil a gente cair na armadilha de reproduzir o que é esperado, do que é classicamente romântico, e do que a gente aprendeu a associar com amor. Se vocês souberem desafiar isso para falar do amor de vocês, que não necessariamente é o amor de filme de sessão da tarde, você já andou 70% do caminho para fazer um ensaio de casal único.

Essa é inclusive uma das primeiras dicas que o Plínio levantou no nosso bate-papo  – é importante o casal tomar cuidado para não vestir um personagem. Casais que não são românticos, por exemplo, comprando balões de coração para fazer fotos doces que parecem cartão postal. 

Talvez a foto fique mesmo bonita. Mas o que isso conta da história de vocês?

A dica aqui é pensar honestamente no tipo de casal que você e o seu par são. E conversar sobre isso entre vocês e com o fotógrafo, e decidir como usar os elementos visuais que estão disponíveis (roupas, objetos, cenários, iluminação, poses, interação de vocês durante o ensaio) para ajudar a falar desse casal. De quem vocês são juntos, e não de quem vocês gostariam de parecer para uma foto.

5. Pense no que faz de cada um uma pessoa única

Apostar nos elementos que marcam vocês como casal é muito legal. Mas também pode ser bacana fazer um aceno para as pessoas individuais que cada um de vocês é.

É muito comum, em casamento, fazer esse tipo de aceno no bolo, por exemplo, onde os bonequinhos do bolo acabam representando a profissão ou os hobbies de cada um dos noivos. Por que não fazer isso também nas fotos? E deixar com que a escolha de objetos, ou de cenários, ou de roupas, ou de poses, faça um aceno à coisas que são importantes para cada um de vocês?

6. Selecione os objetos

Essa é outra dica importada dos sets de filmagem. Uma dica de direção que a gente usa quando um ator está tímido nas filmagens é dar a ele alguma função física para realizar ou um objeto para interagir durante o diálogo. Isso ajuda porque ao focar no objeto ele acaba esquecendo de ficar nervoso.

A maior parte de nós não é ator ou modelo profissional, não é mesmo? E é natural que a gente acabe ficando nervoso ou sem saber como agir frente à câmera. É claro, o fotógrafo vai ajudar, dirigindo poses e ações para as fotos, mas se você escolher alguns objetos para interagir durante o seu ensaio você aumenta as possibilidades de poses e de possibilidade de interações com seu parceiro para serem fotografadas, além de poder se distrair manuseando os objetos de escolha caso fique muito nervoso. 

Outro ponto positivo é que fotografias são uma forma de comunicação visual, e levando objetos que sejam simbólicos da sua relação com o parceiro você ajuda a contar a história de vocês por meio das imagens.

7. Decida os looks

Lembra das suas referências? Vale resgatar elas aqui. As fotos que você gosta mais são de casais vestindo que tipo de roupa? Usando que tipo de cabelo e maquiagem? Isso é uma boa dica de que tipo de look você e seu parceiro devem privilegiar.

Não importa se você escolheu ir com um look mais casual ou mais montado. Um look que combina com o cenário ou que contrasta. O fator que mais importa aqui é que o seu look e o do seu parceiro estejam de acordo um com o outro. Já pensou se você vai de roupa formal e o parceiro vai totalmente casual? Ou você aposta numa estética mais de verão e o parceiro tá todo empacotado?

É importante também que sejam roupas com as quais vocês se sintam bem, afinal, vão ficar eternizadas nas fotos. Vale tomar um cuidado e separar as roupas na véspera, para garantir que não estejam sujas ou especialmente amarrotadas, e que ainda sirvam bem.

Se  você realmente não faz ideia do que vestir, bate um papo com o seu fotógrafo. Normalmente os ensaios permitem dois ou três outfits diferentes, e, se for da sua vontade, com certeza o profissional pode te ajudar a entender o que vai funcionar para vocês.

8. Defina os cenários de partida

Eu digo “de partida” porque muitas vezes, ao longo do ensaio, os lugares mudam. As vezes por condições climáticas, eventos de força maior, ou simplesmente porque uma boa oportunidade que não tinha sido imaginada antes apareceu. 

Mas por mais que seja importante confiar no processo e deixar fluir, é bem legal se planejar para escolher o cenário com antecedência, porque isso muda tudo. Dependendo do fluxo de pessoas e carros, por exemplo, um determinado local pode ser melhor de fotografar fora do horário comercial. Ou de acordo com a incidência de luz, um outro lugar pode ter um horário melhor do mundo. Talvez um cenário que você gostaria de fotografar precise de pedido de autorização prévio, ou talvez seu fotógrafo possa te sugerir um que você ainda não conhecia. 

Existem muitos lugares bonitos, de todos os estilos, para fazer fotos inesquecíveis em todos os horários, mas, para além disso, converse com o parceiro e com o profissional para ajudar a escolher lugares que ajudem vocês a contarem a história de vocês visualmente. Isso fará toda a diferença.

9. Permita que o fotógrafo te conheça

Uma vez eu trabalhei para um diretor de fotografia de cinema bem cascudo, com anos e anos de filmes nas costas, e ele dizia que o fotógrafo sempre tem que se apaixonar um pouquinho pelos sujeitos que ele está retratando. 

É claro, é um apaixonar-se muito metafórico. Acho que o que ele realmente queria dizer é que é muito difícil você capturar beleza em pessoas nas quais você não vê nenhuma, e eu acho que isso faz todo sentido. 

Você já notou como as pessoas que te conhecem são as que veem mais beleza em você? Teoricamente, elas são as pessoas que mais tiveram oportunidade de ver seus defeitos, mas ainda sim, são as que te acham mais lindo. Alguma coisa muda quando a gente conhece uma pessoa. A gente vê aquela profundidade no olhar, aquele trejeito delicado com as mãos, aquele jeito bem da pessoa de torcer a boca para segurar o riso. 

É claro que o seu fotógrafo de ensaio raramente vai ter a oportunidade de te conhecer tão bem assim – a maior parte de nós terá um ou dois encontros presenciais com o profissional de escolha antes do ensaio. Mas minha sugestão é: se esforce para ser o mais próximo de quem você realmente é durante essas interações. Faça um esforço consciente de não colocar aquela máscara de polidez e distanciamento que a gente coloca quando conhece alguém novo, especialmente em um contexto profissional, de prestação de serviços, mas de tratá-lo como um amigo antigo. 

Mesmo apenas um encontro bem aproveitado já pode representar um entendimento muito maior de como capturar beleza em um determinado casal.

10. Se entregue ao processo

Você planejou tudo que estava ao seu alcance, agora é hora de se entregar. 

E quando eu falo “se entregar”, eu quero dizer realmente se entregar. Não é hora de querer controlar pose ou cenário, ou clima ou nada. É hora de confiar no profissional que você contratou, e abraçar tudo que as circunstâncias jogarem para cima de vocês. Seja sol ou chuva, uma revoada de pássaros ou uma mudança de cenário de última hora. É hora de seguir as conduções do fotógrafo, e confiar que ele enxerga beleza em lugares que você nem imagina.

11. Se mantenha ciente do outro

É preciso se lembrar que as fotos não são um objetivo para você e seu parceiro alcançarem, as fotos são um registro de uma jornada que você e seu parceiro já estão construindo juntos. 

Se a pessoa atrás das lentes, a terceira pessoa, for a mais importante do ensaio, isso vai imprimir nas fotos. Isso deixa as fotos mais constrangidas, carregadas de coisas que não são só amor. 

Agora, se o seu parceiro é a pessoa mais importante para você durante o ensaio, se a presença dele é o que fala mais alto, se vocês estão conectados, isso também imprime nas suas fotos. 

Eu sei que a maior parte das pessoas não se sente super confortável na frente das câmeras, e isso pode tornar estar presente com a pessoa amada sem ligar para a presença de um fotógrafo muito desafiador. Para te ajudar, segue uma diquinha de preparação de atores: use o seu corpo pra sair da sua cabeça. 

Quando ficamos nervosos, envergonhados, ficamos muito dentro da nossa cabeça. Usar as sensações e os sentidos pode ajudar muito a entrar num estado de espírito mais legal.

Tente, por exemplo, olhar nos olhos do parceiro. Olhar por um minuto sem parar, por dois, por três. Eu te desafio a passar três minutos em silêncio, olhando nos olhos do parceiro, e terminar esse intervalo mais conectado com a sua vergonha do fotógrafo do que com o amor da sua vida. Outras dicas são explorar o tato e o olfato – abrace seu parceiro. E aí a mesma coisa, abrace por um minuto, por dois, três, mais. Preste atenção no cheiro da pessoa que você ama, na pressão que ela exerce quando te abraça, no conforto dessa sensação. De as mãos para o seu amor, perceba a textura, a forma, a sensação de estar de mãos dadas. E repita esses passos toda vez que você sentir que está ficando muito tímido, ou sem graça, ou que é muito ruim mesmo nesse negócio de fazer pose. Toda vez que você estiver mais ciente da câmera do que da pessoa com quem você divide (ou vai dividir) a vida.

12. Enxergue como um retrato no tempo

É preciso encarar –  a maior parte de nós tem sérios problemas de auto-estima (inclusive, demos dicas aqui sobre como fortalecer a autoestima) e não está nunca 100% satisfeito com a nossa aparência. Ou são os quilinhos a mais que a gente não conseguiu perder, ou o aparelho ortodôntico que não deu pra tirar ainda, ou mesmo aquela espinha horrível que apareceu bem no dia da foto. Talvez seu cabelo não esteja com o  melhor dos cortes, e sua escolha de roupa não seja exatamente um vestido atemporal. 

O importante é lembrar que essas fotos são literalmente retratos de quem você e seu parceiro são neste tempo. Provavelmente daqui a 10, 20, 30 anos, nenhum desses “problemas” vai falar mais alto do que a emoção, as memórias e o momento que as fotografias guardam. Para os seus netos e bisnetos, nenhum “defeito” vai falar mais alto do que as histórias que esses registros guardam. 

Então não deixe com que seus problemas com a auto-imagem ou questionamentos sobre o local e os elementos que você escolheu para o seu ensaio atrapalhem você de apreciá-lo.

13. Maneje expectativas

É importante saber que mesmo tendo planejado cada etapa, e visualizado um tipo de ensaio quando você começou, provavelmente o seu ensaio não vai ser o que você tinha em mente. Isso por diversos motivos: porque ele passa pela visão e pela sensibilidade de uma pessoa que não é você. Porque as condições climáticas são incontroláveis. Porque imprevistos acontecem. Porque temos dificuldade em ter uma visão realista de nós mesmos. E porque nada na vida é exatamente como a gente imagina. 

Mas se você estiver com uma visão aberta, com a consciência de que todo o planejamento foi para poder extrair o melhor de uma situação que é, por natureza, espontânea, e se permitir olhar para o seu ensaio sem comprar nem com as referências, nem com a ideia que você tinha na cabeça, você tem muitas chances de descobrir que ele ficou ainda mais lindo do que você imaginava. 

E agora, você se sente pronto para fazer o seu ensaio fotográfico? Conta pra gente como ficou!

*Todas as fotos nesse artigo foram cedidas pelo fotógrafo Plínio Ricardo. Você pode conhecer mais sobre o trabalho dele no site ou no instagram.